Desmistificando o óleo de coco.

Oleo de CocoApós algumas reportagens na televisão a respeito do óleo de coco, resolvi desvendar o que realmente esse tal óleo faz. O uso do óleo de coco no emagrecimento:

  •  O óleo de coco é uma gordura vegetal, portanto isenta de colesterol, porém dentre os óleos vegetais, é o que mais tem gordura saturada.

As gorduras boas – as poliinsaturadas – podem sofrer saturação no processo de aquecimento, por isso recomendamos o uso do azeite cru, e evitar as frituras, pois nesse processo a temperatura se eleva a ponto de saturar o óleo de soja, milho, girassol (e outros) no processo de cozimento, que leva água, a temperatura se mantém mais ou menos em 100° C, não afetando a qualidade dos óleos.
Por ser uma gordura saturada, o óleo de coco não se altera no processo de aquecimento, por isso pode ser considerado seu uso no preparo de alimentos.
Porém, por ser uma gordura saturada, também não é a gordura mais indicada para ser consumida, pois teria os mesmos efeitos da gordura animal.

  • Como qualquer óleo, o óleo de coco fornece 9kcal por grama. Suplementar a alimentação com óleo de coco é adicionar calorias na sua alimentação.
  • Dentro do corpo, gordura é gordura e será metabolizada como tal.

Logo, para mim, suplementar gordura para emagrecer não faz nenhum sentido!
Mas, devido as ampla divulgação encontrada na internet, vou justificar as alegações dadas pelos fabricantes:

  1. “Óleo de coco melhora a função intestinal”: qualquer gordura em excesso, ou não absorvida, “solta” o intestino. Há anos usamos óleo mineral como laxante.
  2. “Óleo de coco diminui o apetite”: toda a gordura no seu estômago reduz o apetite, pois retarda o esvaziamento gástrico. Toda refeição com muita gordura deixa aquela sensação de peso no estomago. Esse efeito no apetite é dado por qualquer tipo de gordura, incluindo o azeite, que é muito mais saudável… então, se você quer saúde, substitua o óleo de coco por azeite de oliva!
  3. “Óleo de coco diminui o índice glicêmico das refeições”: mais uma vez, é um efeito gerado por qualquer tipo de gordura, inclusive o azeite… a redução do índice glicêmico também é dado por proteínas, fibras e ácidos. Assim, se seu objetivo é emagrecer, eu recomendaria uma refeição com proteínas magras, com bastante fibra e temperada com limão. Também tem baixo índice glicêmico e é bem menos calórica!
  4. “Combate a fadiga crônica”: a gordura é convertida em energia no corpo. Sendo assim, se você quer perder gordura, você precisa gastar energia, e não de mais gordura.
  5. “Ajuda no controle da diabetes, já que não estimula a liberação de insulina”: é o mesmo caso do índice glicêmico, gordura nenhuma estimula a liberação de insulina. Mas, mesmo assim, engorda.
  6. Uso em cápsulas: o estudo que mostrou o benefício do óleo de coco foi feito utilizando 30g do produto por dia (obs: são mais 270 kcal por dia, o equivalente a 3 bombons!), em pacientes obesos que fizeram atividade física e dieta com redução de calorias (!). cada cápsula contem 1g do produto, logo, matematicamente, você teria que consumir… 30 cápsulas por dia!

Aqui fica o meu conselho: não existe mágica!

Publicidade

2 comentários sobre o tema:

  1. Matéria muito bem fundamentada. As pessoas precisam adquirir o hábito da informação e deixarem de “querer acreditar” em milagres. Com certeza já adicionei aos meus favoritos.

  2. essa do olheo de coco é boa, gostei,isso é só para enganar pessoas desavizadas que estão a procura de um milagre.os milagres vem de deus se vc merecer é claro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *