Como os seus hormônios influenciam na perda de peso.

hormonio-perda de pesoVocê sabe que para emagrecer, além de se alimentar de forma equilibrada, você precisa se exercitar. Mas para realmente ter o corpo e a saúde que você quer, é importante entender sobre um terceiro fator: seus hormônios. Sim, seus hormônios também são responsáveis pela velocidade do seu metabolismo, ou seja, pela quantidade de calorias que você acaba gastando por dia. Eles também são responsáveis por aquela famosa gordura que se acumula na barriga.

Os hormônios que você deve conhecer são:

  • LEPTINA

A leptina é um hormônio secretado pelo tecido adiposo que informa o cérebro como anda o seu estoque de gordura corporal. Uma das hipóteses estudadas pela ciência é que a leptina criaria um “ponto de referência” usado para manter o seu peso, o que explicaria por que alguns indivíduos ganham novamente os quilos perdidos no passado. Ou seja, você sonha em pesar 54 kg, mas, sempre que chega lá, seu corpo vai fazer de tudo para voltar aos 60 kg na balança ao menor descuido. A leptina tem sido considerada a responsável por regular essa “marcação”, estimulando o apetite quando você elimina gordura. Se o estoque anda cheio e excede esse ponto, o hormônio é produzido para suprimir o apetite. Mas há um furo nessa estratégia: quanto mais pesada a pessoa estiver, menos sensível ela será aos sinais da leptina de que “estou cheio”.

  • INSULINA

A insulina é produzida pelo pâncreas para reduzir o nível de glicose no sangue. Assim, quando um batalhão de açúcar invade a sua corrente sanguínea, após ingerir uma guloseima, por exemplo, a insulina entra em cena como o policial que vai capturar esses marginais e pôr ordem no local. O que não puder ser despachado para os músculos e para o fígado para ser transformado em energia (glicogênio), ou aproveitado pelo corpo, é aprisionado na forma de gordura. E, uma vez que a insulina está presente, dificilmente ela liberará esse estoque para ser convertido em energia. Quanto mais o seu corpo produzir insulina, mais o seu organismo ficará resistente a emagrecer. E qual a melhor maneira de controlar a insulina? Não é difícil adivinhar: cortar a ingestão de açúcar e alimentos processados.

  • GLUCAGON

A função dele é elevar o nível de açúcar no sangue quando ele está baixo. Você sabe que o seu corpo estoca o excesso de calorias na forma de gordura, como se isso fosse um pacote de emergência (a reserva de gordura) caso você fique muitas horas sem se alimentar.

  • GRELINA

Ela é produzida no estômago e é o principal hormônio responsável por nos fazer comer demais. Os níveis de grelina disparam próximo da hora das refeições e diminuem depois que comemos. O stress crônico aumenta os níveis de grelina.

  • HORMÔNIO DO CRESCIMENTO

Nem é preciso um prêmio para quem adivinhar o que faz o hormônio do crescimento (GH). Ele promove o crescimento, claro, principalmente dos seus músculos.  E também promove uma quebra das gordurinhas já estocadas no corpo e diminui o ritmo de armazenamento daquelas que estão circulando no sangue.

  • TESTOSTERONA

Além de controlar a excitação sexual e a agressividade, a testosterona pode acelerar o seu metabolismo, ajudando o corpo a construir músculos e queimar gordura. O nível de testosterona, tanto nos homens como nas mulheres, diminui com a idade, principalmente depois dos 40, sendo uma das principais causas da crise da meia-idade. O metabolismo fica mais lento e você, mais predisposta a armazenar as calorias extras como gordura, mais do que para fornecer energia para construir músculos.

  • ESTRÓGENO

O hormônio feminino influencia também onde seu corpo distribui a gordura. É por isso que, quando seu nível começa a cair com o avanço da idade, a gordura corporal tende a mudar. Ele é o responsável pelo acumulo de gordura na área das coxas e do bumbum – e também as malditas celulites!

  • TIROXINA

Manter a tireoide saudável é fundamental para que o organismo funcione bem. O hormônio tiroxina (T4), produzido por essa glândula, ajuda, entre outras funções, a regular o seu metabolismo e não pode ser alterado por exercícios ou alimentos.

De posse dessas informações, o que você pode fazer a partir de AGORA:

  • Se você está tentando emagrecer, experimente fazer por etapas, a um ritmo de cerca de no máximo 2 kg por mês, para driblar os efeitos da leptina.
  • Alimentos de baixo índice glicêmico (IG) ajudam a reduzir a produção de insulina. Fibras, gorduras saudáveis e proteínas ajudam a reduzir o índice glicêmico da refeição.
  • Vários alimentos afetam a produção de grelina e outros hormônios relacionados com a saciedade. A grelina é influenciada pelo equilíbrio entre a insulina e o glucagon. Comer de 3 em 3 horas e fazer uma distribuição proporcional de 40% de carboidrato, 30% de proteína e 30% de gordura (principalmente monoinsaturada) na sua dieta ajuda a manter sob controle os hormônios de saciedade.
  • Otimizar a liberação de GH irá ajudá-la a construir e assim queimar mais gordura. Ao ganhar massa muscular, você aumenta o ritmo do seu metabolismo basal, turbinando assim o gasto de calorias mesmo quando estiver de pernas para cima, sem fazer nada. Tanto a musculação quanto o trabalho aeróbico aumentam a produção de GH, mas a sua liberação é mais rápida nas duas primeiras horas do sono profundo. Portanto, vista o pijama e comece a contar carneirinhos. É praticamente impossível pessoas que não dormem bem o suficiente conseguir emagrecer.
  • Pratique exercícios, tanto de resistência quanto aeróbicos, que estimulam a produção de testosterona.
  • Tanto o estrógeno quanto a testosterona requerem o mineral boro para a sua produção. As maiores fontes são: café, maçã, banana, uva, feijão e brócolis.

Produtos Afiliados:

Um comentário em “Como os seus hormônios influenciam na perda de peso.”

Deixe um comentário.